Búsqueda avanzada

TIENE EN SU CESTA DE LA COMPRA

0 artículos

en total 0,00 €

SANTO ESTEVAM DE FAYOENS : UM MORGADIO FLAVIENSE
Título:
SANTO ESTEVAM DE FAYOENS : UM MORGADIO FLAVIENSE(Edición Digital)
Subtítulo:
Autor:
LUÍS MIGUEL GUAPO MURTA GOMES
Editorial:
EDIÇÕES VIEIRA
ISBN:
978-989-736-172-2
Páginas:
89
Derechos sobre el eBook:
Copiar/pegar: Prohibido.
Imprimible: Prohibido.
Colección:
HISTÓRIA | HISTÓRIA
5,00 € Comprar
Ayuda ebook

Sinopsis

SANTO ESTEVAM DE FAYOENS : UM MORGAGIO FLAVIENSE, no-me antigo e pelo qual era conhecida a Paróquia, é o livro a que se propõe editar o autor Luís Miguel Guapo Murta Gomes que realizou um intensivo trabalho de investigação de cariz genealógico, geográfico e histórico, nos séculos XVII e XVIII. É de todo inte-ressante assinalar aspectos curiosos de Santo Estêvão e de Faiões, actuais freguesias do concelho de Chaves. Nesta antiga povoação medieval, foi no século XVII instituído um Morgadio/ Vínculo pela Família COELHO, ligada aos Fontoura, Melo, Teixeira e outras. Sabe-se da existência deste Morgadio/ Vínculo, através da Escritura de Patrimó-nio Eclesiástico do Rev.mo P.e Francisco Coelho Fontoura, pois nela as diversas teste-munhas indagadas pelos Oficiais Eclesiásticos narram, declarando existir, uma antiga Capela com bens encapelados, na nomeada povoação antiga. Nesse mesmo Processo, existe uma transcrição do testamento do instituidor e o que as testemunhas relatam vem corroborar a existência desta transmissão, de geração em geração. Pela genealogia, foi possível relacionar as pessoas indicadas, aos dados obtidos através da documentação. O nome do Morgadio/ Vínculo será designado por «Morgadio de São Bartolomeu» ou «Morgadio do Castanheiro». Investigações foram feitas na Torre do Tombo (DGARQ/ TT), Arquivo Distrital de Braga, Arquivo Distrital de Vila Real, Arquivo de Salamanca e na Santa Casa da Misericórdia de Chaves, além de outras obras compulsadas? Esta monografia conta com vários capítulos, nos quais se pretendeu desenvolver investigação sobre a Província de Trás-os-Montes e Alto Douro, com especial ênfase para a região Flaviense, no que toca a notas genealógicas e outras e dar a conhecer algo inédito no panorama genealógico e de historiografia local que vai, certamente, enri-quecer esta região muitas vezes esquecida?